Casa Cidades

Um dia de autocuidado entre as catadoras de materiais recicláveis

Que carinho é bom e todo mundo gosta, não é novidade. Mas é preciso “encaixar essa lembrança” no cotidiano. Pensando nisso, o Complexo Cooperativo de Reciclagem da Bahia - CCRBA, e o Centro de Arte e Meio Ambiente – CAMA, organizaram para as catadoras de Materiais Recicláveis cooperadas e/ou associadas um dia de autocuidado com massagens e sessão de relaxamento. O encontro, que ocorreu na Paróquia Ascensão do Senhor, no Centro Administrativo da Bahia, na quinta-feira,22, e foi guiado por Sueli e Sueide Kintê, contou com o apoio do Fundo Socioambiental Casa e da Fundação Luterana de Diaconia (FLD).

Acostumadas à dureza da labuta diária, carregando o peso dos fardos das latinhas amassadas, das garrafas pets e todo tipo de material reciclável recolhido, as catadoras dificilmente lembram e olham para o próprio corpo, percebendo a necessidade de cuidados bastante específicos. Para Michele Almeida, presidenta da CCRBA, esse encontro foi pensado considerando essa preocupação. “É uma correria tão grande, todos os dias, que a gente mal se olha, mal se percebe, a gente sequer se toca. Por vezes até abafamos dores e emoções que vão dar respostas no corpo, né? E são coisas relativamente simples, os produtos para os procedimentos temos em casa. Esse foi um dia especial para cuidarmos disso. Não é luxo, nem estética, mas sim uma questão de saúde”, pontuou Almeida.

IMG_20190822_121017836

Sueli Kintê, pedagoga, uma das facilitadoras da oficina, explanou que uma das grandes dificuldades no dia a dia é não estarmos atentas ao nosso corpo. “Nós, mulheres, carregamos emoções muito intensas todos os dias, carregamos culpa, carregamos pesos dos mais diversos, nossos e dos outros, mal nos percebemos. Essas mulheres, catadoras, além desses pesos emocionais, psicológicos, levam os pesos dos materiais que coletam, que transformam. É muita carga para um mesmo corpo”, ressaltou.

Foram feitas sessões de massagem e técnicas de relaxamento que visavam entender e “ouvir” o próprio corpo. Dos produtos utilizados, nada tão distante do que está em nossas prateleiras e gavetas: creme hidratante e óleos. A ideia é terem outras oficinas em espaços abertos, um convite para congregar e conectar as energias e manter mente e corpo em sintonia.

Fonte: ASCOM / CCRBA

Author image
Sobre Rai Trindade
Complexo de Cooperativas de Reciclagem da Bahia Assessoria de Comunicação